Votação

O blogue Arrastão está a promover um conjunto de inquéritos sobre as autárquicas. Quem será o presidente da Câmara? , pergunta-se, abrangendo quase 40 concelhos do país. Guimarães é um desses.
Por muito que estes inquéritos online sejam quase tão pouco fiáveis como as sondagens, uma maior participação poderá fazê-los chega mais próximo do resultado final.

11 reacções:

Hugo Monteiro | 15:27

"Por muito que estes inquéritos online sejam quase tão pouco fiáveis como as sondagens, uma maior participação poderá fazê-los chega mais próximo do resultado final."

Esta frase é uma barbaridade que nem lembra ao Diabo...

Samuel Silva | 15:40

É estatísitca básica. Quanto maior "n", mais fiável, não?
Nunca serão resutlados fiáveis porque a amostra será sempre enviesada. Mas se votaram 100 pessoas ou 1000 os resultados serão menos ou mais fidedignos.

Sílvia | 17:45

dependerá também a fiabilidade da amostra se o blogue estiver ou não conotado politicamente... se a maior parte dos visitantes do blogue forem de determinado posicionamento político-partidario, isso enviesará obviamente a amostra.

Ana | 18:44

Ou seja "que estes inquéritos online sejam quase tão pouco fiáveis como as sondagens", quer dizer que serão mais fiáveis que as sondagens. Não exageremos na fé nestas "votaçõaes"... As sondagens sempre pretendem ter uma base científica.

Samuel Silva | 09:46

Ora isso, Ana, já era a parte irónica da minha posta...

NFC | 09:59

Mas será que niguém se questiona sobre que país é este em que o Presidente da República faz uma comunicação patética ao país, apenas para dizer...nada, proteger-se dos ataques dos seus e fustigar aquele que vai indigitar como Primeiro-Ministro? Soube-se hoje que Cavaco Silva tinha mandado mudar todo o sistema informático já em Abril deste ano. Então por que razão só agora fala de e-mails? Será que só agora lhe explicaram o que é o correio electrónico? Ou será que só agora percebeu que o responsável pelo nobel sistema informático presidencial (de Abril) é o mesmo que era responsável pelo sistema informático de Durão Barroso? Terá Durão Barroso interferido? Terá escutado? Quererá Durão Barroso ser Presidente da República depois de voltar a Portugal, ainda depois de ter abandonado o país? E por que razão as diligências do MP a duas empresas de advogados em relação à questão da compra dos submarinos decidida por Paulo Portas só foram realizadas depois das eleições? E já agora, por onde anda Paulo Portas? Fugido, no terceiro submarino? Esquizofrénico exercício este, não? É por estas e por outras que ainda temos que aguentar o indigente do Alberto João a chamar-nos a todos de loucos... no fundo, no fundo, o homem até diz umas coisas de vez em quando.

Samuel Silva | 10:02

Caro,

Estou como o outro: Já passaram 36 horas e ainda não percebi bem o que Cavaco quis dizer. Mas neste momento estamos mais interessados em discutir os temas locais.

Eles lá em Lisboa que se entretenham e quando quiserem voltar a governar o país, sintam-se à vontade.

Hugo Monteiro | 01:03

O único problema é que a amostra do blogue não tem absolutamente nada de aleatório, além de que a população (os frequentadores do blogue) são um conjunto de pessoas muito específico. Ou seja, vale pouco mais que nada.

Samuel Silva | 09:48

Daí fazer sentido irem lá votar pessoas que não são habitualmente leitoras do Arrastão, certo?

Hugo Monteiro | 15:26

Vou ter de me dar ao trabalho de explicar que a população que utiliza a Internet é bastante diferente da que participa nas eleições autárquicas? Mas nem sei se é pior dizer que as sondagens não têm credibilidade nenhuma ou que os inquéritos online têm algum.

Como disseste no primeiro comentário "é estatística básica".

Samuel Silva | 19:16

Mas quantas vezes tenho que explicar que a referência às sondagens foi uma piada, entroncando num tema muito discutido no actual cenário eleitoral (especialmente nas Europeias)?

Quanto ao mais, é óbvio. Quem usa a net não corresponde, nem de perto nem de longe, a uma amostra da população portuguesa.

O que eu digo, e também me parece lógico, é que quanto mais as pessoas que votarem e a sua proveniência neste tipo de inquéritos mais eles aumentam o grau de fiabilidade. Nunca o serão sequer a 50 por cento, mas podem melhorar a prestação.