Excelência também no Teatro

Se há áreas em que a posição de Guimarães no espaço cultural português está bem cimentada é no Teatro. A par do Jazz, pelo espaço próprio, regular e de qualidade que as instituições da cidade há anos lhe souberam dedicar, os Festivais de Gil Vicente, que começaram na segunda-feira, foram capazes de se assumir.

O Festival marca a arte em Portugal e é hoje uma aposta ganha: bem programado (diversidade, qualidade e congruência) e que coloca Guimarães no patamar cultural do qual se tem reclamado parte.

Depois de, na segunda-feira, terem começado as oficinas de dramaturgia, o primeiro espectáculo do Festival que marca o mês na programação do Centro Cultural de Vila Flor sobe ao palco hoje. Os Artistas Unidos trazem “As últimas palavras do Gorila albino”, sobre o Floquet de Neu, um dos símbolos de Barcelona, mesmo depois de morto. Depois há, entre outros, o Teatro Praga, com “O Avarento” e a performance/peça/jantar “Banquete”, de Patrícia Portela, que promete, quanto mais não seja pela originalidade.

1 reacções:

Paulera | 03:26

por acaso encontrei seu blog e gostei do conteúdo.

abraços direto do Brasil,