Das listas autárquicas (I)

Com a divulgação da lista do PSD à Câmara Municipal ficamos a conhecer as equipas com que os dois principais partidos se apresentam às eleições locais do próximo Outubro. Desde logo duas semelhanças: nos primeiros lugares das listas à câmara há duas alterações em cada partido. Mas as semelhanças terminam aqui.

Existem várias surpresas. Desde logo a aposta do PS em Alexandra Gesta que, embora se estivesse a desenhar há alguns dias, não era previsível há dois ou três meses e ainda menos há dois ou três anos quando a arquitecta passou de “estrela” da recuperação urbana de Guimarães a técnica proscrita.


A outra grande surpresa é a lista do PSD à Assembleia Municipal. Carlos Vasconcelos – que lidera a lista, transitando da vereação – teve desde já o mérito de conseguir unir as várias facções do partido, passando uma imagem de unidade que pode ter um efeito catalisador importante para um bom resultado em Outubro e…em 2013.


A terceira grande surpresa é a ausência de Rui Victor Costa, candidato pelo PSD à Câmara em 2001 e 2005, de todas as listas do partido, depois de oito anos em que foi o principal rosto da oposição.


Além destas três surpresas major descubro algumas mais pequenas. Na lista do PS à Câmara, José Augusto Araújo é o sétimo, tão perto da vereação que podemos perceber a sua “futuribilidade” (roubei a palavra aos espanhóis) como vereador. Nas hostes socialistas, há novidades na Assembleia: o director da Oficina e do CCVF, José Bastos; o presidente do Convívio, José Torrinha; e o regresso de Raúl Rocha. No PSD, surpreendem-me Pedro Rodrigues, Esser Jorge e o regressado Luís Cirilo.

10 reacções:

João | 13:49

Passo a passo lá vai o zézinho mudando de tacho e subindo de cargo... Depois de tantos anos de subserviência ele merece!

Anónimo | 23:54

O Zé das Taipas estava à bica para entrar à espera que corressem a Xica para Lisboa. Mas alguém em Braga fez um manguito ao Magalhães.

doménico do CICP | 00:49

Dor de cotovelo, dor de cotovelo. Gostava de ver o caro João fora da sua toca de Caldelas. Espere mais uns dias que eu vou dizer do que estou a falar.

Anónimo | 10:51

É uma vergonha utilizar o nome do CICP. Quem és tu, doménico?

Paulo Lopes | 03:35

Estou a ler, regressado, pela primeira vez, portanto não sei até que ponto estarei a fazer uma análise que já exista nos textos seguintes, mas das listas para as autárquicas tiro já algumas notas: o PS já venceu, e está a preparar-se a um ritmo diferente para o combate, esse sim mais complicado, daqui a 4 anos. Reforça a aposta em alguns nomes, deixa outros em posição de preparar o futuro e torna a Câmara num orgão de gestão mais técnico e direccionado para os interesses da cidade. Como a política devia ser.

Outra nota é que o PSD já percebeu o que disse na nota anterior: Já perdeu, quer preparar a coisa a 4 anos, e assim sendo fez uma lista de retornados, reciclados, convertidos e apaziguados para o combate nestes 4 anos na AM, deixando a Câmara para quem sabe. Apresenta lista porque tem mesmo que ser. Mas fica já a nota a 4 anos de distância: Quando não há perspectivas de poder fazer consensos é muito mais fácil. Quero ver as comadres a zangarem-se não tarda.

doménico do CICP | 17:47

Só cheguei agora e só agora é que posso falar. Quem sou eu? Ora, ora! Passem por Santa Rosa do Lima e verão quem sou. E não brinco à feirinhas. O que vale é que, finalmnte, a comunistagem vai sair de lá. Já não era sem tempo. Uf!

Samuel Silva | 15:30

Não concordo nada contigo, Paulo. A câmara é um órgão político e não técnico. Devem estar lá políticos, por isso.

Paulo Lopes | 15:32

O Pedro Santana Lopes é um bom político...

Samuel Silva | 15:33

Se o for há-de saber rodear-se se bons técnicos...em cargos técnicos.

Anónimo | 01:16

O Santana só sabe rodear-se de Santanetes, Cinhas e Lilis...