Jorge Sampaio e 2012

Jorge Sampaio, na visão de Paula Rego.

Segundo o Público de hoje, Jorge Sampaio presidirá ao Conselho Geral da Fundação Cidade de Guimarães, a fundação que tratará da concepção, planeamento, promoção, execução e desenvolvimento do programa cultural da Capital Europeia da Cultura 2012.

O Conselho Geral é o principal órgão deliberativo da fundação, cabendo-lhe pronunciar-se e aprovar as linhas orientadoras da instituição, bem como as demais competências geralmente atribuídas, noutro género de instituições, às Assembleias Gerais. Sampaio não terá funções executivas (embora estas lhe tenham sido oferecidas, através de um convite para Presidente da fundação, que recusou por questões de agenda), sendo antes a figura representativa do projecto.

Jorge Sampaio, secretário-geral do PS no final dos anos 1980, Presidente da Câmara de Lisboa nessa mesma década, Presidente da República de 1995 a 2005, tem também raízes familiares e ligações afectivas a Guimarães. Resta saber qual a mais-valia, para além do reconhecimento público, que trará à Capital Europeia da Cultura. Vale-nos a infeliz certeza de que não poderá, no Conselho Geral, demitir o executivo camarário por não concordar com as suas orientações.

A Presidência do conselho de administração caberá a Cristina Azevedo, que será a grande operacional do projecto, cabendo-lhe escolher os dois outros membros executivos que a acompanharão.

Para além destes nomes, tudo se encontra em aberto. Aos poucos, começam-se a perceber os contornos que 2012 terá.

8 reacções:

Samuel Silva | 20:31

Como dizias há uns dias a propósito da visita de Cavaco Silva houve um efeito-Cavaco à volta do 24 de Junho, que teve direito a ser capa do JN e a visibilidade extra nas TV's.

Com Sampaio haverá o mesmo efeito na CEC. Pelo menos assim foi hoje, com o Público a publicar a notícia, contra o costume, na secção Nacional.

Samuel Silva | 20:33

"Vale-nos a infeliz certeza de que não poderá, no Conselho Geral, demitir o executivo camarário por não concordar com as suas orientações."

Tiago, a questão não se colocaria mesmo que Sampaio pudesse. Se alguém com o seu percurso e notoriedade pública se associa a um evento deste tipo é porque está de acordo com a linha política de quem o convida.

Se ele aceita o convite do executivo municipal é porque se revê nas suas opções, ao menos em matéria cultural.

Paulo Lopes | 20:36

Explica-me a infeliz certeza da não demissão do executivo Camarário? Era uma piada ou a triste sina de ter que viver com isso dos órgãos democráticos eleitos pela maioria?

Tiago Laranjeiro | 01:07

Essa é boa, Paulo. Aos órgãos democraticamente eleitos aceito-os, como a maioria dos portugueses, mesmo quando não contribuí para os eleger. Sampaio é que parece não lidar lá muito bem com isso... Mas o que lá vai, lá vai.

Sim, Samuel, nisso tens razão. Foi preciso vir cá Cavaco para o 24 de Junho passar para os media nacionais. Com a Capital Europeia da Cultura passou-se o mesmo. Nem a confirmação por Bruxelas mereceu destaque nacional. Talvez com Sampaio por cá dêem mais atenção a este projecto. Insondáveis os critérios da comunicação social...

Samuel Silva | 01:55

Ah...Não tinha percebido a boca sobre o Santana Lopes...

Joseph K. | 03:52

Valha-nos a feliz certeza que António Magalhães ANDARÁ POR AQUI enquanto os Vimaranenses e ele próprio quiserem...

Paulo Lopes | 14:08

Pois. Estou como o Samuel. Não tinha percebido que te referias ao poder de demitir do Sampaio, mas sim à eventual demissão de António Magalhães. Até porque falaste em "infeliz certeza". Talvez fosse mais feliz certeza. Ainda bem que não se pode demitir magalhães!

Tiago Laranjeiro | 15:25

Meus caros, parece que não fui bem compreendido... Reconheço absoluta legitimidade a Magalhães para governar a autarquia e para que o volte a fazer caso vença em Outubro.