É oficial

11 reacções:

Cláudio Rodrigues | 15:29

O que é que é oficial?

Samuel Silva | 15:32

Que Guimarães é Capital Europeia da Cultura em 2012. Até saiu no Destak :)

Cláudio Rodrigues | 15:37

Ahhh! Que bom, que bom. Quer dizer que agora já se pode começar a trabalhar?

Samuel Silva | 15:39

Garantem que já estão a trabalhar. Um "trabalho de invisibilidade pública" diz o presidente da Câmara. Em Junho há novidades públicas.

Mas acho que se soube mais na terça-feira do que dos últimos meses.

Samuel Silva | 15:39

O Quique Flores também atingiu objectivos invisivéis. ;)

Cláudio Rodrigues | 15:48

A sorte é que se for um fracasso nunca será [de certeza] oficial. LOL

Vai ser lindo vai...

Saganowski | 16:08

Mas o Quique é espanhol. E como é de fora, não conta para as "estatísticas"!

lol

Samuel Silva | 16:43

Já estive mais apreensivo, Cláudio. O que veio a público (e veio no Público...lol) nesta semana é mais do que já se sabia antes. E estou convencido de que há projecto e há trabalho feito.

Há, no entanto, demasiados cuidados da Câmara. Pouco envolvimento do governo. E um grave problema de comunicação externa do evento, que aliás é comum ao Turismo de Guimarães e a algum trabalho da autarquia.

PS: Desculpem lá a graçola da primeira frase:)

Cláudio Rodrigues | 00:03

Foi uma graçola com piada :) Eu não sei se vai ser fracasso, só acho que em Guimarães ainda se pensa muito no umbigo quando se fala na CEC2012 e devia falar-se era em Europa, e depois acho também que esta notícia, na verdade, não traz assim tantas novidades como isso, e foi mais um pretexto para se levantar foguetes antes da festa.

João | 00:19

Eu espero é que de facto se aproveite esta oportunidade. Mas não me parece haver um real apoio do Governo Central, o que poderá prejudicar e muito este projecto.

Outra coisa que me faz um pouco de confusão, 100M não será pouco?

Ah, salas de espectáculo na cidade continuaremos apenas com o CCVF e o S. Mamede? Não será pouco? Não será uma boa oportunidade de reabilitar o Teatro Jordão? Pelo que já li sobre o mesmo tem 1200 de capacidade, bem mais que qualquer um dos outros dois recintos. Alem de ter um requinte interior bem diferente dos restantes.

Samuel Silva | 01:04

Cláudio,

Como muito bem dizia uma antiga camarada que muito prezo, Guimarães já não tem muralhas, mas é como se as mantivesse. Faz-se muito para dentro. Falta largueza de vistas, a começar por nós próprios, arrisco eu, e a acabar nos responsáveis políticos.

A notícia da confirmação não é que disse algo de novo. Novo foi ouvir finalmente o MC falar do evento, ainda que com algumas barbaridades pelo caminho. Novo foi perceber que afinal o projecto se alarga ao Noroeste Ibérico. Novo foi perceber os tais três eixos do projecto. Face ao silêncio dos últimos tempos, parece-me bastante.

João,

O que parece é que a família Jordão voltou a mostrar como gosta de Guimarães: vai daí e inflacionou o preço da casa. Convenhamos que a Câmara tem razão em não gastar 9 milhões num cadáver.
Apesar de tudo, é uma pena. Mas acho que estamos bem servidos de locais de apresentação de espectáculos.

O que falta à CEC e à cultura local está para além dessa dimensão física, na minha opinião.

Quanto ao orçamento, estou de acordo. 100 milhões custou a Casa da Música, por exemplo. Claro que para Guimarães é um investimento anormal, mas exigia-se um grau de compromisso diferente do governo. Ainda por cima é da cor política da Câmara.