Correr aos cargos

Diz o líder da JS de Guimarães, numa entrevista ao Guimaraesdigital, que os jovens socialistas esperam ter "um lugar compatível nas próximas listas eleitorais do partido" face ao "trabalho que têm desenvolvido". Ficam assim desfeitas as dúvidas quanto às verdadeiras razões da sua militância: trabalhar, não por dever de cidadania ou compromisso público, mas para obter um "lugar compatível" num município que, não por acaso, até é liderado pelo PS.

E percebe-se o porquê de a liderança da "Jota" rosa ter dado sinais de vida no início deste ano, depois de praticamente ter estado ausente da vida pública vimaranense nos últimos dois anos. Em tempo de eleições, a JS lançou um ciclo de debates públicos e até tem um blogue novo. Na hora de mostrar serviço, a liderança da concelhia da JS corre para os jornais e apressa-se a colar cartazes, mas, durante dois anos, não os vimos em público, enquanto a congénere social-democrata foi uma das grandes marcadoras da agenda política vimaranense.

Numa altura em que tem necessariamente de começar a pensar na renovação de gerações, por imperativo legal, no PS há mais do que motivos para preocupações. Com jovens destes, a quem entregar o futuro partido?

3 reacções:

Rui Afonso | 09:27

Infelizmente, isso acontece em todas as jotas do país, seja qual for a cor partidária.

Ricardo Gomes | 21:29
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Samuel Silva | 17:12

Caro Rui,

nem todos têm a desfaçatez (ou ingenuidade) para o assumir em público. Daí a crítica, embora obviamente este seja um problema mais amplo a nível nacional.