Realidades culturais

Compromissos profissionais levaram-me, na quinta-feira, a um debate, à margem do festival de Curtas de Vila do Conde, em que se discutiu a cultura local. Um debate inédito, como sublinhou valter hugo mãe, e que foi lançado por um artigo da Inês Nadais no suplemento ipsilon do Público, da semana passada.
No texto passava a imagem de que Vila do Conde era um deserto cultural, em que um evento como o Curtas era “um OVNI”. Vai daí e as estruturas profissionais da cultura vila-condense juntaram-se para fazer passar a mensagem contrária: há vida para além do Curtas. A atitude é muito ao jeito vimaranense: quando nos pisam, juntamo-nos, porque há um orgulho bairrista a defender.

Mas terminam aqui as parecenças com Vila do Conde. Apesar dos lamentos de algumas das figuras da cultura local, a cidade costeira não está mal servida no que à cultura diz respeito. Há obviamente um extraterrestre como o Curtas. Mas é um extraterrestre porque é evento internacional, com um impacto muito maior que o tamanho da cidade.

Mas há cultura além do Curtas. Há uma escola de Novo Circo, a Corda-Bamba, o Teatro Formas Animadas, dedicado às marionetas, e o Circular, um festival de artes performativas. E há a Solar, a única galeria cinematográfica do país.

Vila do Conde é, além disso, uma terra de excelentes criadores. valter hugo mãe, um dos melhores escritores nacionais da nova geração, o fotografo Nelson D’Aires (premio... ), e os irmãos Praça (ex-Turbo Junkie e Plaza). Mérito obviamente da actividade cultural existente. Mas também, é fácil percebe-lo, da proximidade do Porto.

Em comum com Guimarães uma coisa: sobrevivem todos com subsídios da autarquia.
Mas há, pelo menos, uma oferta mais diversificada, que não se esgota nas mesmas caras, nos mesmos protagonistas e nos mesmos espaços.

2 reacções:

anti-vimaranenses | 17:45

"quando nos pisam, juntamo-nos, porque há um orgulho bairrista a defender."
é mesmo isso, orgulho bairrista...que tristes...mas o pior é que se orgulham disso....

Anónimo | 00:36

A tua dor de cotovelo é tanta, anti-vimaranense...