Prazer em receber uma banda assim


Se dúvidas houvesse de que o modelo para o Manta é o deste ano, o concerto dos The National dissipou-as por completo. Uma grande banda, a viver um momento único de afirmação no mercado nacional e que, por via disso, levou 3000 pessoas aos jardins do Vila Flor.

O concerto foi irrepreensível. Os National foram capazes de animar o público a partir do primeiro acorde. Não só porque são uma banda excelente ao vivo, como também foram capazes de aproveitar o incrível culto que existe em Portugal. Cada música foi cantada pelo público como se de um hit de tratasse.

A banda explorou bem isso e deu um concerto de grande nível ao longo de mais de uma hora e meia. A pose de Matt Berninger dá-lhe uma aura de ícone e a interacção com o público faz-se desse lado mais simbólico do que de frases feitas e espalhafato.

Brainy, Fake empire, Apartment story, Secret meeting, Looking for astronauts e Mr. November. Em uníssono com o publico. Num ano que está a ser em cheio no CCVF, National deram um dos melhores espectáculos do ano. O que não é dizer pouco. É realmente um prazer receber uma banda assim.

Ao segundo dia, sai reforçada a ideia que tive na abertura: este festival é nacional. O comboio veio cheio, o trânsito ressentiu-se e o centro histórico teve um dia anormalmente animado num verão deprimente que vai vivendo. Esta é uma aposta ganha.

1 reacções:

João | 17:10

Concordo inteiramente. The National já são uma banda de classe mundial. Um concerto para recordar. Fiquei comovido quando chamaram atenção para a lua cheia. Uma banda que nitidamente estava encantada com a beleza do espaço em Vila Flor. Numa noite espectacular, só há a destacar um aspecto negativo: as filas intermináveis para conseguir uma bebida. Um aspecto que já se repetiu ano passado, mas que certamente será resolvido na próxima edição do MANTA.