O método histórico como ferramenta jornalística?

Pacheco Pereira é o director da edição do Público de hoje. É uma forma interessante de assinalar a aniversário do jornal. Mas, em vez de se limitar a assinalar a efeméride, Pacheco Pereira acabou por deixar a sua marca no jornal, não apenas nos comentários que assina, como nos temas e nas abordagens que escolheu.

Destaco, particularmente, o tratamento dado ao caso Casino de Lisboa. Pacheco Pereira convoca a sua formação de historiador para propor uma abordagem distinta daquela a que estamos habituados no jornalismo. O Público faz, por isso, uma cronologia de todos os factos relativos ao tema (com a ajuda de uma boa infografia) e acaba por descobrir as notícias por detrás desses factos: há “brancas” na história, dados que não batem certo e mais questões que se levantam.

Poderá o método histórico ajudar o jornalismo a reinventar-se? Isto é o jornalismo interpretativo a que o Público reclama pertencer no seu livro de estilo. E, quanto a mim, parece-me que este se pode afirmar como um excelente caminho para o jornalismo ultrapassar as dificuldades levantadas pela Internet.

1 reacções:

antónio larguesa | 01:00

a ideia de convidar o JPP cumpriu, apesar de nada original, mesmo em PT. só não me parece que tenha resultado por aí além. mas parabéns ao jornal pelos 18 anos e desejos de melhor e mais inovador noticiário!