Bloggers de Guimarães discutiram cinco projectos para a cidade

Os bloggers de Guimarães reuniram-se no último sábado para discutir os “cinco projectos para a cidade” apresentado no final de Setembro pela autarquia. Na Casa Medieval da Praça de S. Tiago, sede do Gabinete de Imprensa de Guimarães – Associação de Profissionais e Colaboradores da Comunicação, instituição que se associou ao evento, reuniram-se representantes de 15 blogs de todo o concelho.

Os bloggers de Guimarães destacaram a importância que tem esta discussão em torno dos projectos que vão marcar as próximas décadas na cidade, numa condição particular que agrega a Capital Europeia da Cultura e o último Quadro Comunitário de Apoio. Além disso foi destacado que este tipo de discussão alargada não é vulgar e por isso saúda-se. A nova abordagem que se quer impor na organização do território foi sublinhada, significando uma alteração muito profunda na forma de pensar o território.

Os bloggers manifestaram a sua preocupação com a futura sustentabilidade de algumas destas intervenções, questionando também se Guimarães terá capacidade de manter tantos pólos de lazer e cultura em funcionamento além de 2012.

A discussão foi marcada pelas críticas de alguns bloggers ao facto de as propostas de intervenção se localizarem apenas na cidade, com acusações à autarquia de confundir o concelho com a cidade. As críticas incidiram ainda na falta de visão sobre a globalidade do concelho, tendo sido sugerido que se aposte numa estratégia de desenvolvimento concelhio que leve em consideração os pólos de ordem inferior à cidade

O projecto do Toural tem sido o mais mediático e discutido dos cinco apresentados em Setembro. Também no encontro de bloggers de Guimarães, o projecto da praça central da cidade foi um dos mais discutidos. Em causa está a retirada da calçada portuguesa e das árvores que marcam a praça. A perda de identidade do Toural pode vir a ser uma realidade, caso o projecto avance nos moldes em que foi apresentado, estando em causa também a referência que é aquele largo em termos turísticos.

Foi defendido que a retirada das árvores e do trânsito são incoerentes em termos ambientais, assim como pode sê-lo a existência do parque de estacionamento, pese embora alguns bloggers tenham defendido a existência do parque. Foi também defendido o regresso do chafariz do Carmo ao seu lugar histórico, no centro do Toural.

O parque de lazer de Creixomil é visto como pertinente e a criação do lago artificial foi descrito como importante. No entanto, urge despoluir o Rio de Couros, que é condição sine qua none para que este projecto possa avançar.

A temática dos transportes mereceu também especial relevo. Foi defendido que é fundamental definir uma estratégia de transportes, mais do que para a cidade, para toda a região. E nesse contexto o projecto de um metro interurbano no Minho tem que ser fortemente equacionado, daí que a proposta de um mini-metro contida no projecto de Creixomil/Silvares deva ser uma prioridade.

6 reacções:

despertador | 02:27
Este comentário foi removido pelo autor.
despertador | 02:45
Este comentário foi removido pelo autor.
despertador | 02:48

Não venho aqui defender os projectos, mas parece-me que a acusão típica de o centro tem tudo e o resto é paisagem está longe de ser uma verdade (1) e depois há determinadas coisas que se fazem no centro que não é possível fazer nos restantes locais (2). Chegar a Ronfe, por exemplo, e dizer, vêem como só querem saber da cidade, até pode dar votos, mas com seriedade seremos capazes de afirmar que um desses 5 projectos poderia ser desenvolvido fora da cidade? Não vivo na cidade, nem faço questão disso, mas não percebo o argumento. Seria como pedir para o Hospital ir para Conde, ou o Tribunal da Relação para Gondar. Tem lógica? Até me dirão que teria, porque aquelas populações merecem. E merecem, mas não podemos cair nesse erro de querer tudo para todos e em todo o lado, porque foi isso que levou o nosso belo país à sua situação actual. Olhemos para fora, se assim nos ajudar, e veremos que a discussão está na "descentralidade" centralizada. Fala-se a fusão de cidades, vilas e freguesias (cada país tem a sua terminologia). Cá dentro, o Governo tem tido uma atitude que direcciona para isso mesmo, ao nível dos seus serviços (tem tido dificuldades em explicá-lo, certo). As cidades não poderão crescer em vários pontos distintos. Mas se olharmos para Guimarães com seriedade, perceberemos que nenhum outro concelho tem tido tanto desenvolvimento fora da cidade. Por acaso sabem qual o concelho de Portugal com mais vilas? E o estatuto de vila deve-se à vontade de cada um, ou deve-se a determinados patamares de desenvolvimento? Por isso, a acusação não me parece sustentável.
Porém, e como a democracia é de respeitar, talvez se desenvolvessem um pouco mais a ideia de projectos fora da cidade eu ficaria a perceber melhor o que têm em mente e assim poder, até, partilhar da mesma opinião.
Quanto ao resto das críticas, subscrevo.
Não quero com este comentário dizer que a iniciativa não foi de louvar, foi, e muito. Mais se deveriam fazer, porque se há coisa que por vezes falta na cidade é massa crítica. Sei que não compareci à discussão, mas os blogs têm a vantagem duma pessoa poder aqui corrigir a mão. Gostaria que não parassem por aqui. Talvez discutir o CCVF (lembrei-me agora do outro post que tens). Discutir, acima de tudo.
P.S. - Peço desculpa pelos dois comentários apagados, mas não estavam do meu agrado, e mesmo este ainda deve ter para aí qualquer coisa...

Samuel Silva | 10:59

despertador,

O texto que publiquei é um resumo do que foi a discussão. Um espécie de actas. Não é uma declaração de intenções, nem nada que se pareça. A discussão em torno da aposta na cidade marcou boa parte do debate, mas motivou reacções muito diversas da parte dos bloggers presentes. Gente das vilas que é crítica, gente das vilas que concorda com a aposta municipal, gente da cidade que está do lado das vilas, gente da cidade que entende que o caminho apontado pela câmara é o correcto. O importante no debate foi a discussão que ete promoveu. Chegar a consensos é dificil e ainda o é mais quando estão presentes pessoas com opiniões tão diversas como o grupo que se reuniu no último sábado.

Quanto às futuras disucussões, foi outro tema abordado. A cultura (e não exclusivamente o CCVF) é certamente um dos temas que mais nos interessa.

despertador | 15:08

Fico à espera da próxima reunião, então. Já agora, sobre a Academia Minhota, aquilo realmente vai muito mal. No meu (nosso, creio) tempo ainda havia a malta da MULA que animava as coisas e fazia uma espécia de contra-poder, agora, nada. Porém, é reflexo mesmo da participação política dos jovens, está cada vez mais diminuta. Daí que iniciativas como esta, sem interesses misturados, sejam óptimas.

sicgloriatransitmundi | 18:15

Já agora, tenho uma certa curiosidade em saber se o São Mamede vai estar pronto a tempo...