"Mais vale um treinador coxo que um cego"

Manuel Cajuda assume-se, a cada dia, como a face do novo Vitória. É a equipa da Emílio Macedo da Silva quem tem o mérito essencial da gestão: Construiu o plantel, está a modernizar o clube, e
fez a aposta acertada de manter Cajuda e reforçar-lhe os poderes. Mas é Cajuda quem simboliza o novo rumo do clube.
A direcção do clube fez algo que os líderes anteriores do clube não souberam fazer, com as consequências trágicas que conhecemos: o palco mediático é do treinador e, por via disso, da equipa de futebol. E é disso mesmo que se trata o jogo: dos seus verdadeiros protagonistas.
E esta aposta resulta ainda melhor quando o treinador do Vitória é um homem com o carácter e a personalidade de Cajuda. Um psicólogo do futebol, que até pode errar na táctica - e fâ-lo várias vezes - mas é uma fantástico condutor de homens. E é por isso que, meia dúzia de meses volvidos desde o pesadelo, o Vitória voltou a impôr respeito.
O caso da lesão de ontem, num choque acidental com Moreno, só vem acentuar o carisma de Cajuda. E reforçar a sua força como líder indiscutível de um grupo unido. Se não o fosse, o acidente podia ter dado lugar a turbulências. A sabedoria de Cajuda soube ultrapssar isso.

ler mais: O líder, O Jogo

2 reacções:

Rui Passos Rocha | 02:18

Queres com isso dizer que Os Coxos não valem nada??
Parece que queres ser ameaçado como o Hugo Torres após a crónica sobre o Cultiva-te... :D
Abraço

Samuel Silva | 11:36

Os Coxos, como se sabe, são uma insitituição. Não foi minha intenção denigrir tão ilustre colectividade (termo que apenas o Manuel Machado usa). :)
Abraço