Toural e Alameda

Conheça o projecto

Sinal +

Retirar o tráfego automóvel do centro da cidade. A opção só traz vantagens: a nível de vivência do espaço, de conservação dos edifícios e de impacto ambiental.

A intervenção prevista para a Alameda de S. Dâmaso renova um espaço nobre, de há uns anos a esta parte parado no tempo. O tipo de jardim público é quase uma relíquia, sem razão de ser nos dias de hoje e, por aquilo que o projecto dá a conhecer, a Alameda ganha dimensão, sem deixar de ser um jardim, facto que a torna um dos espaços de lazer mais frequentados da cidade.

Também o Toural necessita de uma intervenção que lhe renove a face e adapte o centro da cidade às exigências contemporâneas. A praça tem a mesma traça desde o início do século, com alterações pontuais. Nesse sentido, o mobiliário urbano e a configuração da praça estão ultrapassadas. Além disso, o nome de Lisboa desaparece do chão do Toural...

Criar soluções para o estacionamento perto do centro histórico pode beneficiar o turismo e o comércio local. Embora seja pessoalmente crítico do conceito de “levar o carro até à porta”, a autarquia responde a essa “exigência”. Só se estranha tal opção depois de se ter “vendido” a intervenção na Mumadona como solução para este mesmo problema.

Sinal –

O Toural do projecto agora apresentado é uma praça formatada, sem identidade e sem o carisma que marcam o centro da cidade de Guimarães. É inquestionável a necessidade de renovar o Toural, mas o projecto agora conhecido é tudo menos uma aposta no “reforço do carácter simbólico e identitário do Toural”.

O Toural projectado é igual a tantas outras praças, a começar pela Avenida Central, em Braga, que lhe parece servir de inspiração: túnel rodoviário, parque de estacionamento e praça granítica. Uma praça despida – sem árvores – e desamparada, que não inova, antes copia.

A fonte central do Toural, sem ser uma obra inspirada, é uma peça marcante da actual praça. Embora não tivesse cabimento mantê-la, a opção por um vulgar espelho de água também me parece um tiro ao lado. Uma peça escultórica arrojada podia ser a solução certeira para dar a dimensão cosmopolita que Guimarães exige para o seu centro.

A autarquia permite-lhe deixar a sua opinião aqui.

4 reacções:

pcc | 21:14

Inacreditavelmente mau, sem identidade, sem carisma, sem respeito pela história e mítica do espaço, desenquadrado do meio envolvente, este projecto para o Toural faz com que deixe de ser a sala de visitas da cidade e passe a ser um mero hall ou saguão. Eu, que não sou arquitecto, sou só (?) vimaranense e morador no Toural, acho este o maior disparate desde que derrubaram as muralhas para calcetar a cidade no séc. XIX, pior do que o erro cometido na Mumadona? Faz sentido que na Oliveira e na praça S.Tiago a calçada seja granítica, a envolvência medieval assim o recomenda; o Toural apresenta uma traça pombalina; qual a lógica da mesma calçada?
Mais uma vez esta CMG vai fazer aquilo que lhe dá na real gana, com os empreiteiros que lhes derem mais...jeito, e o vimaranense engole.
Magalhães (deculpe não o chamar de presidente, nunca votei em si e nunca votarei), se tiver coragem, submeta o plano a votação popular...

pcc | 21:17

P.S. Será do meu computador ou o site da CMG está inacessível há algum tempo...

Samuel Silva | 15:54

Eu consigo aceder ao site da câmara.

Obrigado pelo contributo para a discussão.

Anónimo | 20:24

Mais um crime arquitectonico. Quando será que os Portugueses vão aprender a preservar o que têm ? Maldita moda da pedra e do cimento e malditos os pseudo-intelectuais que a apoiam.