Porquê?

9 reacções:

Diuner de Guimarães | 22:01

Provavelmente por causa do verde (lá, o cabo, cá o vinho).

Anónimo | 22:27

E também pela importância primeira. Quer dizer, pela importância capital de se poder fazer um percurso diferente na próxima viagem.

Anónimo | 22:29

Eu também gosto de passear e Cabo Verde até é um dos meus destinos de eleição. Onde me inscrevo no PS?

casimiro silva | 00:58

Que mauzinhos! A importância de ser primeira capital explica tudo, não?

Samuel Silva | 13:44

Explica o quê, Casimiro? Que se vá passear a Cabo Verde e depois venham os Cabo Verdeanos cá passar o 24 de Junho. Não será pouco para uma cidade com a nossa dimensão?

De todas as geminações anteriores com quantas é que Guimarães ganhou verdadeiramente. As suas gentes e a cidade em si, está claro. Porque Tacoronte e Igualada até são destinos interessantes, se pensarmos que ficam às portas de Tenerife e de Barcelona, dois fantásticos destinos turiticos. Agora Cabo Verde, que até está na moda em termos turísticos, como um dos anonimos comentários já expressou.

O que eu gostava de saber era o que realmente ganha Guimarães com as geminações e quais os cirtérios que presidem às escolhas.
Quanto mais não seja para deixar para trás a ideia de que as escolhas são feitas com critérios mais turísticos do que culturais, sociais ou economicos.

Victor | 01:57

*cof cof*...
Será que ainda me lembro duma afirmação do presidente da câmara sobre excluir geminações com cidades distantes porque estas (como de resto há exemplo) não funcionam?
Se não fosse pedir muito já agora perguntaria em que é que funcionam as geminações que funcionam...

casimiro silva | 18:21

Tinha-me esquecido: é a terra do grande Neno.

Samuel Silva | 22:00

Então explica tud, casimiro. A seguir é fazer o mesmo com a terra do Tchomogo... eh eh eh! :)

Paulo Lopes | 22:29

Não pondo desde já de parte o Benim, seria mais facil perguntar a algum responsavel por esse tipo de medidas se quer ir lá passear. Ou há motivos mais fortes para a germinação com Cabo Verde?