Política e Juventude

A Assembleia Municipal de Guimarães ratificou ontem a adesão do município ao cartão jovem municipal. Apesar de curto em vantagens (ficam-se apenas pelas cooperativas e empresas municipais), é uma iniciativa que, se for bem aproveitada, se pode afigurar como uma aposta inteligente.

Importa, no entanto, referir, que, neste caso, a Câmara andou atrás da agenda da JSD. Foram os social-democratas quem levantou o tema pela primeira vez há uns quatro ou cinco anos. Mas a verdade é que Guimarães só adere agora ao cartão da Movijovem (que existe há pelo menos dois anos).

Isto depois de, em Outubro, o líder do Jota “laranja” ter voltado a levar o tema à Assembleia Municipal, acabando por ser ele o catalizador da iniciativa agora tornada pública pela autarquia.

Durante todo este processo não se ouviu um única palavra, uma única consideração, uma única ideia, da boca dos responsáveis da JS. E na assembleia municipal de ontem percebeu-se o porquê: Para dizerem o que disseram ontem, os jovens socialistas ficam melhor calados.

O líder da JS é confrangedor. Passou mais tempo e enumerar as vantagens do cartão e a fazer o elogio da Movijovem (vá lá saber-se porquê…) do que a apontar caminhos para o futuro do Cartão Jovem local ou, pelo menos, destacar o papel que a JS teve no processo. Se calhar porque o não teve.

5 reacções:

Zé Lingrinhas | 18:07

Movijovem = IPJ = antigos financiadores do CMJ que pagavam viagens ao presidente & Cia., Lda. a encontros europeus.

Presidente da JS = antigo Presidente do CMJ


Uma coisa que ficou por explicar: qual a razão para o IPJ deixar de patrocinar o CMJ?

Pol Pot | 18:59

Eu também queria ser líder da Jota Êsse, mas a minha mãe obrigou-me a acabar o 9º ano.

Mendes | 21:32

A primeira juventude partidária de Guimarães a propôr à Câmara o Cartão Jovem Municipal foi a JUVENTUDE CENTRISTA então presidida por Paulo Osório.
O vereador Francisco Teixeira recusou a proposta e a juventude do CDS-PP voltou depois novamente à carga através de Carlos Veloso.
A Câmara disse na altura que quem precisava de apoios eram os idosos e criou o Cartão Municipal do Idoso.
Um pouco de pesquisa e memória não faz mal a ninguém.

zé lingrinhas | 21:39

Oh Mendes, parece-me que a Juventude Centrista não existe em Guimarães desde que eu dei o corpo ao manifesto, no comício que o doutor Freitas veio cá fazer a seguir ao 25 da desgraça! Um pouco de exercício de memória não faz, de facto, mal a ninguém.

Anónimo | 03:48

O lingrinhas anda informado.
É fácil explicar isto: alguém um dia fez uns estatutos que pela porta do cavalo trouxeram rios de dinheiro ao CMJ através do IPJ.
oRA a luxuria era tanta que rezam as crónicas até deu para comprar bens pessoais aos presidentes que foram sucedendo na instituiçãp. Não todos claro, porque nisto ha sempre gente de bem.
Por fim ficam umas dividas por justificar que ainda devem andar pelo IPJ, a que se soma para descalabro do CMJ o sr Pedro Cardoso (último a deter algum do dinheiro que outros dada a bundância deixaram ficar para trocos)que infelizmente era um pouco para o incompetente´.
Posto isto o CMJ é uma associação com uns estatutos que na verdade para o IPJ de nada servem e como tal não possibilitam receber qualquer dinheiro. Facil não?