Agora em papel

Disse uma vez um gande amigo, a propósito do projecto jornalístico que fazíamos juntos na UM: "É como um filho que não fiz, mas que tenho todo o gosto de criar". É mais ou menos assim que olho para o ComUM. Quem o pariu foram estes dois ilustres camaradas de ofício, mas tive o prazer de o criar durante um ano juntamente com uma equipa fantástica.

Hoje é um dia grande para a "criança". O ComUM cresceu para um jornal em papel. O primeiro número pode ser lido aqui. Destaque para o fabuloso cartoon de César Évora para a irreverência e qualidade da secção InComUM (uma espécie de Inimigo Público) e para a qualidade jornalística de alguns aprendizes de ofício capazes de fazer corar ditos profissionais. A prová-lo a reportagem sobre a prostituição de alunas da UM e a entrevista ao censurado Daniel Luís.

3 reacções:

Hugo Torres | 12:19

uma vergonha esses links, pá. =o)

Samuel Silva | 14:00

Está feita a alteração, camarada. Não era minha intenção roubar-te a paternidade ;)

antónio larguesa | 19:34

Bons tempos esses da juventude! E quem me dera continuar os tempos de estudantes para me meter nestes "trabalhos", tão bons e aliciantes quanto este do ComUM!

De resto foi um prazer criar aquele filho contigo, meu bom samuel :)

P.S. interessante a discussão sobre a angariação de publicidade no post do mediascópio.